Erro
  • Português (Brasil)
  • English (United Kingdom)
  • Deutsch (DE-CH-AT)
  • Español(Spanish Formal International)
  • Italian - Italy
1942: "Casablanca" é exibido em pré-estreia.
Sex, 30 de Novembro de 2012 15:58

 

Exibido pela primeira vez em 26 de novembro de 1942, em Nova York, o filme em preto e branco "Casablanca", dirigido por Michael Curtiz, é considerado um dos maiores clássicos da história do cinema.

Filme só estrearia na Alemanha 10 anos mais tarde.

"Assisti a Casablanca mais uma vez recentemente, após longo tempo. Nos Estados Unidos, ele passa toda semana na televisão. Eu ainda acho o filme incrivelmente ágil; não há monotonia. Ele tem tudo: heroísmo, romantismo e muitos artistas fantásticos em papéis pequenos", comentou certa vez a atriz Ingrid Bergman, falecida em 1982. Mas não foi apenas a comovente história de amor entre a beldade antifascista Ilsa Lund e o honesto dono de bar Rick Blaine, interpretado por Humphrey Bogart, que tornou o filme tão popular até hoje.

No business like war business

Passada a tão festejada noite de gala, no dia 26 de novembro de 1942 em Manhattan, a película dirigida por Michael Curtiz ficou de início relativamente esquecida. Porém um bom motivo a trouxe de volta ao cartaz nos cinemas dos Estados Unidos, dois meses depois.

Com a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial em dezembro de 1941, do lado dos Aliados, filmes que criticavam a Alemanha nazista ganharam prioridade em Hollywood. Para melhor promover a produção, a Warner Brothers adiou propositalmente seu lançamento em circuito comercial para o dia de encerramento da Conferência de Casablanca, em 26 de janeiro de 1943.

Foi nesta que o primeiro-ministro britânico Winston Churchill e o presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt acertaram que a guerra só poderia terminar com a capitulação incondicional de Alemanha, Itália e Japão.

Prêmios e clichês

A estratégia de marketing deu certo. Casablanca foi um sucesso de público e conquistou três Oscars, entre eles o de Melhor Filme de 1943.


Lauren Bacall ao receber o Oscar em 2009 pela sua contribuição ao cinema.

Em 1992, Lauren Bacall, o grande amor e última esposa de Humphrey Bogart, perguntava-se mais uma vez por que a história de 1942 tanto atraía a todos, mesmo com o passar dos anos. Seria o espírito do patriotismo em tempo de guerra, ou as intrigas e perigos num local misterioso do deserto, ou o desespero dos apaixonados presos numa armadilha em Casablanca?

Os diálogos sob medida e várias insinuações sutis certamente impulsionaram a fama de Casablanca. Não há como negar que a película é repleta de clichês e absurdos. Contudo, nada disso conseguiu manchar sua aura, até hoje.

Por exemplo, os vistos no passaporte para a viagem a Lisboa trazem a assinatura de Charles de Gaulle, ou seja, exatamente do homem que liderava o movimento de resistência francesa contra o governo de Vichy, colaboracionista com os nazistas. E Victor Laszlo, que havia acabado de fugir de um campo de concentração, andava para lá e para cá sempre vestido com um bem passado terno tropical da alta costura parisiense.

Adulterado na Alemanha

Por ironia do destino, europeus que fugiram do continente devido à perseguição nazista interpretaram no filme tanto os papéis dos refugiados como também dos homens da SS alemã.

Para Humphrey Bogart, Casablanca foi o ponto máximo de sua carreira: o aventureiro desiludido tornado anti-herói, cinicamente calmo. Um homem de ação, como o comissário Louis Renault, da polícia francesa, atestava no seguinte diálogo na tela:

Rick Blaine:"Louis, por que acha que eu poderia me interessar em ajudar Laszlo a fugir?"

Louis Renault:"Porque eu, meu querido Rick, suspeito que por trás desse ar cínico bate um coração sentimental. Pode rir à vontade, mas estou me orientando exatamente pelo seu passado. Deixe-me só destacar dois momentos: em 1935 você contrabandeava armas para a Etiópia, em 1936 lutou na Espanha contra os fascistas."

Casablanca só foi estrear nos cinemas alemães em 1952. No entanto, numa versão abreviada e adulterada de tal forma através da dublagem, que o filme ficou desfigurado. Todas as referências ao nazismo haviam sido eliminadas. E a figura de Laszlo, membro da resistência, fora transformada em físico nuclear norueguês. A seu jeito, a Guerra Fria dos tempos de Adenauer se apoderara do passado.

Michael Marek (av)

WWW.DW.DE

 

Patrocínio

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Contador

2176618
HojeHoje0
OntemOntem0
Essa semanaEssa semana0
Esse mêsEsse mês0
TudoTudo2176618